George Stilwell

Médico Veterinário

Licenciado pela Escola Superior de Medicina Veterinária. Doutorado em Ciências Veterinárias “Avaliação e controlo da dor em bovinos”.  Diplomado pelo European College in Bovine Health and Management. Exerceu clínica liberal de espécies pecuárias desde 1986 a 2000. Professor Associado com Agregação da FMV-ULisboa desde 2000, onde lecciona” “Clínica de Espécies Pecuárias” e exerce a regência da disciplina “Deontologia e Bioética”. Docente convidado na Massey University (Nova Zelândia) 2018-2019. Lidera o laboratório de Comportamento e Bem-estar animal do CIISA-FMV. Membro fundador da Associação Portuguesa de Buiatria. Membro de grupos de trabalho da EFSA sobre bem-estar e saúde de bovinos. Membro do Conselho Directivo da Ordem dos Médicos Veterinários.

16:10 - 16:40

23 de Outubro Med Vet Baseada na Evidência

E quando a evidência científica não existe? Conhecimento empírico, extrapolação e Expert Knowledge Elicitation (EKE)

Nem sempre o raciocínio e as decisões médicas podem ser suportadas por evidência científica objectiva, precisa e comprovada. Em muitos momentos, o médico ou médico-veterinário tem de decidir baseando-se em observações e na sua experiência pessoal. 

Este tipo de conhecimento pode surgir sob duas formas: empírico ou anedóctico. Enquanto que o primeiro pode ser considerado como um passo no sentido da obtenção da evidência científica, já que é verificável e tem características científicas e algum peso estatístico, o segundo resulta do relato de observações e práticas pontuais ou de inferências subjectivas. Uma outra forma de contornar a eventual falta de evidência científica, é através da análise da opinião ponderada de especialistas quanto à distribuição de probabilidades para fenómenos incertos. Este exercício é designado por Elicitação do Conhecimento Especializado (Expert Knowledge Elicitation ou EKE).  Estas três fontes de informação, mais ou menos fiáveis, procuram sugerir soluções para problemas para os quais a ciência ainda não encontrou respostas irrefutáveis mas também podem ser vistas como rampas de lançamento das questões às quais a ciência se terá de dedicar. No entanto, para que sejam úteis neste duplo propósito têm de obedecer a normas e regras que importam discutir e definir.